Pesquisar este blog

segunda-feira, novembro 24, 2008

Aldir Blanc mostra humor curto e grosso


Nas suas letras de música e crônicas, dá para ver o frasista certeiro que é Aldir Blanc. Mas Guimbas é seu primeiro lançamento voltado exclusivamente para essas frases de efeitos - aforismos, para ficar mais chique; guimbas, para ficar mais escrachado.

O livro lembra Millôr Fernandes, especialista em tiros curtos de humor, condensando erudição, nonsense e incorreção política em poucas palavras. De Millôr, Aldir se aproxima especialmente pelo prazer de brincar com as palavras, certo de que um trocadilho pode ser tão infame quanto brilhante. E se afasta pela dedicação maior à escatologia e ao vocabulário, por assim dizer, rude.

"Humor é pé na cara", dizia Henfil a Aldir, segundo relata o compositor carioca, nos tempos célebres do Pasquim - e Aldir participou do Pasquim em vários tempos, alguns mais de cólera do que de glória. Boa parte das guimbas tem esse tom agressivo de quem quer botar a cinza na ferida - ou só provocar um sorriso amargo. "Humor é mau humor", ensina Millôr.

Alguns pontapés verbais, como os sobre Severino Cavalcanti e Renan Calheiros, ficaram até um pouco datados diante da rapidez com que se sucedem os escândalos nacionais. Já outros estão no tempo certo. "Informado sobre a vitória do candidato democrata Obama em várias convenções, o suposto líder da KKK no Texas, Adolf Pass O'Rhodo, declarou: Nós, da KKK, não temos nada contra um primeiro presidente negro nos EUA. Muito pelo contrário. O contraste com a Casa Branca dá um ótimo alvo!."

E há aqueles comentários comportamentais que são atemporais - a não ser que certas práticas humanas acabem, o que é pouco provável. "Curioso que a maioria das mulheres, quando conta aos maridos que tem um cara novo no trabalho, o descreve como baixote, cabeçudo e burro. Um belo dia, o conhecemos por acaso, e ele é ligeiramente parecido com o Paul Newman."

Para muitos, o tal vocabulário rude pode chocar. Mas é que Aldir veio mais para confundir do que para explicar. Vale a pena entrar na confusão. O livro tem prefácio assinado por Nani, orelha escrita por Reinaldo (do Casseta & Planeta), contracapa do jornalista Luís Pimentel e ilustrações de Fábio Monstro.

Guimbas é politicamente incorreto já no título, ao fazer referência ao grande vilão dos dias atuais: o cigarro. A ilustração de capa, de Fábio Monstro, ressalta a imagem do compositor, acompanhado de um copo de cerveja, abusando do tabaco.

A partir das frases do autor, o ilustrador Fábio Monstro amplia o significado do tiro certeiro de cada palavra escrita por Aldir, como na imagem de abertura do livro, em que Aldir é retratado com uma espingarda na mão e um cigarro na boca.

Aldir Blanc é o próximo autor da série SIGmund, idealizada por Jaguar para a Desiderata, que tem o intuito de divertir e apresentar aos leitores os clássicos do humor brasileiro e a nova-guarda do gênero. A seleção dos títulos foi feita pelo Jaguar, com a chancela do ratinho Sig - o clássico do cartunista criado para o Pasquim e revitalizado para batizar os lançamentos.

A coleção já disponibilizou os títulos Ministério de perguntas cretinas (Millôr Fernandes e Jaguar), Assim rasteja a humanidade (Allan Sieber), Dicionário dos sexos (Gustavo Alves), A mãe que entrou em órbita ou como casar com um rapaz solteiro (João Bethencourt), Um riso em decúbito (Don Rosé Cavaca), Existe sexo após a morte? (Adão Iturrusgarai) e Gente fina (Bruno Drummond).


GUIMBAS

Autor - Aldir Blanc (com ilustrações de Fábio Monstro)
Editora - Desiderata
Quanto- R$ 29,90 (96 págs.)

2 comentários:

decosalgado disse...

Ae filhao! Voltei a bloggar! tu ainda ta me devend um livro teu autografado. nao esqueci nao.

[]'s
deco.

Anônimo disse...

Como é o nome do blogger? Continua duck ass ou há novidades na área? E como faço pra te enviar o livro do rock? Qualquer coisa, escreve pra simaopessoa@gmail.com