Pesquisar este blog

sexta-feira, janeiro 15, 2010

Os Selvagens da Noite - versão do diretor


Em pé: Airton Caju, Gamal, Nonato Índio, Zinho, Heraldo Cacau e Luiz Lobão. Agachado: Paulo Marrom. Os homeboys se preparando para invadir uma brincadeira da Dorothéia.

Março de 1973. O Petrônio Baixo havia passado no vestibular de Medicina e me convidou para comemorar a boa nova em Manacapuru. Iríamos no sábado, pernoitaríamos na cidade e regressaríamos no domingo.

Como eu nunca havia saído da cidade, topei. Convidei o Mário Adolfo e o Sidão para irem juntos. Eles arregaram. Convidei o Luiz Lobão e o Jorge Palheta. Apenas o Luiz Lobão aceitou encarar o desafio.

Naquela época não havia balsas. A gente apanhava um barco regional na Escadaria dos Remédios, atravessava o rio Negro e embarcava em um ônibus, no Cacau Pirêra.

A rodovia Manuel Urbano era uma trilha de piçarra, que ficava intransitável nos dias de chuva.

No rio Ariaú, havia uma balsa puxada a tração manual, praticamente no muque, e o balseiro, coitado, só conseguia rebocar um veículo de cada vez. Era uma viagem de quase quatro horas.

Usando apenas o nosso traje de guerra (macacão Lee e sandálias de pneu), nós três entramos no barco com a cara e a coragem por volta do meio-dia.

Dois sujeitos que eu ainda não conhecia já estavam a bordo do mesmo jeito que a gente: apenas de macacão Lee e sandálias de pneus.

Para o nosso trio se transformar em um quinteto foi conta de multiplicar.

Os novos homeboys – Luiz Mota e Augusto Medeiros (aka “China”) – moravam no bairro da Raiz. Também estavam indo pra Manacapuru pela primeira vez.

Começamos a encher a cara.

O ônibus nos deixou na Praça da Liberdade, em frente à sede da Prefeitura, por volta das 16h.

O motorista avisou que o ônibus de retorno sairia do mesmo local às 10h da manhã de domingo. Quem perdesse o horário, só voltaria pra Manaus na segunda-feira.

Entramos em um boteco, bebemos algumas cervejas e depois nos despedimos de Luiz Mota e China, que iriam ficar hospedados na casa de uns conhecidos.

Marcamos de nos encontrar na Praça da Igreja às 10h da noite para irmos juntos ao baile do clube Palmeirinha, onde iria rolar a única festa da cidade.

Saímos batendo perna em busca de hotel.

Encontramos uma única hospedaria, nas proximidades do Mercado Municipal, que era também farmácia, restaurante, mercearia, armarinho e entreposto de secos e molhados.

O dono do espaço multimídia explicou que os únicos dez quartos do hotel já estavam ocupados. Se quiséssemos utilizar o banheiro coletivo da espelunca, não haveria nenhum problema.

Aí, percebendo a nossa aflição, deu uma dica pro Petrônio Baixo, entre a ironia e o sarcasmo:

– O único hotel da cidade é esse. Mas se o senhor tiver uma boa conversa, arranje uma namoradinha, que é bem capaz dela deixar o senhor dormir na casa dela. É por causa disso que a nossa cidade vive empestada de curumins... Essas meninas são danadas!

Perdido por um, perdido por mil. Resolvemos perambular pela cidade para conferir a qualidade da mercadoria feminina.

A cidade era menor do que o bairro da Cachoeirinha, mas, em compensação, era uma autêntica terra de icamiabas: eu nunca havia visto tanta mulher bonita por metro quadrado quanto em Manacapuru. E todas elas extremamente atenciosas, graciosas, gentis.

Marcamos encontro no clube com uma dezena de garotas, cada uma mais gostosa do que a outra. Aquilo ia ser uma festa semelhante a pescar em balde.

Por volta das 8h da noite, jantamos no espaço multimídia e ficamos enchendo a cara para passar o tempo.

Meia hora depois, o Petrônio Baixo, que ainda estava no primeiro mês do curso de Medicina, deu uma de médico, e aplicou uma injeção que ele próprio receitara em um hóspede que estava com pressão baixa.

Se o sujeito morresse, no mínimo a gente ia em cana.

Felizmente, o sujeito sobreviveu e ficou tão agradecido que pagou a nossa despesa.

Estava dando tudo certo.

Por volta das 10h da noite, a gente estava se dirigindo para o clube ao encontro do nosso harém, quando vimos o Luiz Mota vir correndo em nossa direção, completamente descalço, trazendo as sandálias na mão:

– Se mandem daqui, se mandem daqui. O China abriu um porradal na portaria do clube, deixou uns três caras arriados e agora tem uns trinta cabocos armados de estacas querendo guisar o sacana. Eles só sabem que o China está de macacão Lee e de sandálias de pneu. Se virem vocês assim, vocês vão entrar na porrada...

– E a gente vai se esconder aonde? – perguntei ingenuamente.

– Me sigam, me sigam! – avisou Luiz Mota, nervosíssimo.

Dito isso, ele desembestou a correr. Nós três tiramos as sandálias e corremos atrás dele.

Luiz Mota entrou numa viela, atalhou por um beco e, de repente, a gente estava abaixado ao lado do cemitério.

Do outro lado da rua, passou uma multidão armada de facas, porretes e pedaços de pau, iluminando o caminho com uma lanterna (não havia iluminação pública na maior parte da cidade).

Eu estava resfolegando, a ponto de vomitar o jantar e as cervejas, quando fui surpreendido pelo China, que vinha em uma nova carreira:

– Se mandem daí, se mandem daí, que está vindo outra turma atrás de nós...

Nós? Caralho, o cara fazia um apronto federal e depois nos colocava na fita?...

Ele desembestou a correr no rumo do bairro Correnteza e nós quatro saímos correndo atrás dele. Nos escondemos em um terreno baldio.

A nova horda de hunos passou, agora sendo capitaneada por um sujeito de motocicleta. Comecei a desconfiar que todos os machos da cidade estavam nos caçando.

Meia hora depois, saímos do esconderijo e começamos a caminhar. Um moleque deu o alarme:

– Lá estão eles! Lá estão eles!

Surgiu um novo destacamento de hunos a uns duzentos metros de distância.

Saímos correndo em direção ao centro da cidade e conseguimos nos esconder atrás da Prefeitura.

Os hunos seguiram correndo em direção ao mercado.


Luiz Mota e Luiz Lobão tirando onda em Manacapuru, algumas horas antes de nossa vida se transformar em um inferno

China estava possesso, transtornado, irritadíssimo:

– Meu irmãozinho, isso é um bando de fulêro – ele explicava. “Se viessem na mão, eu encarava eles no mano a mano, de um por um. Mas os fulêro estão armados de faca, navalha, estacas e corrente... É um bando de cagão!”

Aí, para extravasar a raiva, ele foi até uma espécie de chafariz existente no centro da Praça da Prefeitura, meteu a mão na água, retirou de dentro um pequeno jacaré tinga e arremessou o bicho no meio da rua. O réptil se fingiu de morto.

Indaguei o motivo de estarmos sendo caçados daquela maneira. Ele explicou:

– Eu estava na porta do clube conversando com uma mina jeitosinha, que estava dando o maior mole pra mim, quando um gaiato encostou na gente exigindo que eu pagasse uma cerveja. Fiz que nem ouvi. Aí, ele tirou a latinha de cerveja da minha mão e começou a beber. Dei um murro, que quase que a lata entrava na boca dele. Ele já caiu sem os quatro dentes da frente. Um parceiro dele me deu um murro pelas costas. Eu me virei e ajumentei. Espoquei o nariz do filho da puta. Um terceiro quis me dar uma baiana, eu pulei pra trás e chutei embaixo do queixo do filho da puta. Ele ficou caído lá mesmo. Aí, uma porrada de caras avançou em cima de mim. Como eu não sou mané, só deu tempo de eu descalçar as sandálias e abrir no trecho...

Calculei mentalmente que já passava da meia-noite.

Sugeri ao Luiz Lobão e ao Petrônio Baixo que a gente fosse se esconder lá no final da orla da cidade, que era um lugar meio desabitado. Eles toparam.

Luiz Mota e China foram atrás de um bar aberto pra comprar cachaça, lá pras bandas dos inferninhos flutuantes da Beira-rio.

A gente estava sentado em um banco, embaixo de uma mangueira, observando o rio passar, na mais completa escuridão, quando avistamos na rua deserta o Mota vir de novo correndo em nossa direção.

– Se mandem daí, se mandem daí, que o China está com o cão no couro. Ele acabou de deixar mais dois caras arriados lá na Beira-rio e agora até a polícia está atrás de nós...

Puta que pariu! Nós saímos correndo atrás do Luiz Mota até nos escondermos embaixo de uma palafita nas proximidades do igarapé da Liberdade.

O fusca da Polícia passou lentamente a uns 50 metros de onde a gente estava e seguiu de volta para o centro.

Suado, enlameado, cansado e puto da vida, eu decidi ficar ali até o dia clarear. Depois de meia hora, o Luiz Mota deu o fora para tentar localizar o imprevisível e estabanado China.

Por volta das 5h da manhã, nós três saímos caminhando em direção à Igreja Nossa Senhora de Nazaré. A idéia era simular que íamos assistir a missa e aproveitar para tirar uma soneca nos bancos.

Pra nosso azar, a primeira missa só seria celebrada às 6h da manhã. Ficamos sentados na porta da igreja esperando o dia amanhecer. Apagamos. Fomos acordados pelas primeiras beatas querendo entrar no local.

Deixamos a igreja e rumamos em direção ao Mercado Municipal. Na primeira banca de camelô, cada um comprou uma camisa de futebol e vestiu sobre o macacão Lee. Depois fomos tomar o café da manhã no espaço multimídia.

Ao ver o nosso estado deplorável, o dono do hotel não perdoou:

– Pelo visto, vocês passaram a noite acordados, hein? A farra com as cachorras deve ter sido boa...

– Nem lhe conto, chefe, nem lhe conto... – devolveu Petrônio Baixo, mantendo as aparências. “O senhor tinha razão. As meninas daqui são danadas...”

No horário determinado pelo motorista, nós embarcamos no ônibus e nem sombra dos nossos parceiros. Só fomos revê-los no Cacau Pirêra, momentos antes de entrarmos no barco.

Depois da confusão no inferninho flutuante, o China havia conseguido encontrar um velho amigo de Manaus, que estava armado com uma pistola Mauser C96 e pilotava uma caminhonete D-10.

Eles ficaram rodando meia hora pela cidade à nossa procura e à procura dos hunos. Só encontraram o Luiz Mota.

Naquela mesma madrugada, o sujeito deixou os dois no Iranduba e voltou pra Manacapuru.

Eu só voltaria a colocar os pés no município quinze anos depois, quando o engenheiro civil Ângelus Figueira foi eleito prefeito pela primeira vez.

E nunca mais na vida quis andar em companhia de Luiz Mota e China.

Um comentário:

Evilázio Portela disse...

Olá caro Simão, me chamo Evilázio Portela, sou natural de Eirunepé, mas moro em Manacapuru desde os 3 anos de idade e, por consequência,adotei como minha cidade de coração,cara,tu nao sabe o quanto tirei um peso da consiência. Quando eu li essa historia pela primeira vez, li em um jornal, mas nem prestei atençao quem era o escritor, como de mania, guardei em meus anais de recorte de jornais essa história q me fez viajar no tempo, apesar dos meus atuais 29 anos, ocorre q na noite de ontem, fui procurar o tal recorte e nao achei, foi um dsespero,fiquei até as 3 da manha procurando o tal recorte, foi quando tive a ideia de procura no Google, mas foi outra dificuldade na palavra chave, depois de tanto insistir coloquei como palavra chave o seguinte: carnaval em manacapuru luiz mota, foi quando essa maravilha chamado google me direcionou para o seu blog, ai quase soltei foguete mano, li todinha a historia de novo, enfim...Mas uma pergunta, esse Luiz Mota q tu narra na historia é o Luiz Mota daqui de MPU? No aguardo de um retorno. Abraços