sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Último aviso aos navegantes


Por conta do rebuceteio criado no ano passado, quando fomos acusados injustamente de estar ficando milionários a custa da BICA, eu convenci Mário Adolfo, Edu do Banjo e Mestre Pinheiro a ficar de fora do carnaval deste ano.

O meu velho brother Francisco Cruz, atual procurador-geral do Ministério Público do Amazonas e um dos diretores mais animados da BICA, bem que me ligou diversas vezes cobrando uma marchinha da banda.

Expliquei a ele, didaticamente, a nossa decisão – e que não teve nada a ver com um suposto estremecimento de minha amizade com o velho Armando e a querida Lourdes Soeiro.

Pelo contrário. Eu me encontrei com o simpático casal de portugueses durante a posse do Chicão no Ministério Público, em outubro do ano passado, e conversamos animadamente sobre as últimas quizumbas, tiramos fotografias juntos e nos despedimos com votos de amizade eterna.


Antes, em julho, quando soube que o Armando estava internado no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), fui visitá-lo e levei comigo o médico Julio Reciños, líder da banda Conexão Latina.

Depois de examiná-lo, ler seu prontuário e conversar demoradamente com os enfermeiros e médicos que cuidavam do Armando, Julio Reciños praticamente obrigou o português a ir pra casa e terminar o tratamento junto aos seus familiares pra não correr o risco de adquirir uma infecção hospitalar.

A filha do comerciante, Ana Cláudia, é testemunha ocular dessa história, já que nos agradeceu muito por termos elevado a auto-estima do português e interrompido no grito uma internação que já durava quase três semanas.

Portanto, não foi por conta de desavenças com o Armando que deixamos de fazer a marchinha deste ano.

Ocorre que nossos planos para 2011 eram muito ambiciosos.

Somente com a parte que me coube na divisão da grana de direitos autorais das marchinhas da BICA arrecadada no ano passado (cerca de 250 mil dólares), eu comprei uma mansão em Ibiza, mais precisamente na praia de Ku, local que gosto muito de frequentar, e comecei a montar a primeira gibiteca pública da cidade, que vai funcionar na quadra do GRES Andanças de Ciganos, na Cachoeirinha.


Mestre Pinheiro pegou sua parte na bufunfa e se mandou para a Ilha de Itamaracá (PE), provavelmente acreditando que encontraria no local algum genérico da esfuziante Maria Batalhão, dona da mais animada boutique de carne do centro antigo de Manaus, localizada estrategicamente na rua Itamaracá, a cem metros da sede da Prefeitura.

Ele foi levar seu filho Leonardo Pinheiro, formado em Direito, para apreender in loco suas antigas experiências com as borboletas da cidade.

Gastaram cerca de 50 mil dólares na presepada e, pelos meus modestos cálculos sobre o assunto, devem ter colocado na rede pelo menos umas 500 borboletas.


O gente fina Edu do Banjo pegou sua parte da grana e começou a gravar o primeiro CD do Duduzinho do Samba, seu moleque caçula, que tem como padrinhos Monarco, da Velha Guarda da Portela, e Zeca Pagodinho.

Aos 12 anos, Duduzinho do Samba toca banjo, cavaquinho, violão de sete cordas (ensinado pelo tio, Caio do Cavaco), teclados, piano, canta afinadinho e ainda se defende na percussão.

Durante a quizumba do ano passado, era Duduzinho quem abria as portas de rádios e tevês para a divulgação da marchinha da BICA nos meios de comunicação.

Edu do Banjo já gastou no primeiro CD do Duduzinho do Samba cerca de 40 mil dólares e esse novo trabalho terá seu pré-lançamento no Sábado de Aleluia, em abril, na quadra do GRES Mocidade de Aparecida.

Com a parte da bolada que ganhou pela execução de nossas marchinhas, Mário Adolfo resolveu matar suas saudades de Paris e embarcou pra lá, em novembro do ano passado, com sua nova paixão, a minha queridíssima Maria Mestrinho.

Em 45 dias, os dois pombinhos estouraram por lá a merreca de 75 mil dólares.

O português Armando tem razão em ficar puto com o nosso súbito enriquecimento supostamente ilícito.

Ele e quem se interessar que preste queixa na Receita Federal (no Ministério Público não, que o Chicão Cruz vai jogar a denúncia na cesta de lixo assim que colocar as mãos).

O certo é que eu e Mário Adolfo estamos mais preocupados em colocar o portal do Candiru na internet do que em colocar azeitona na empada da BICA.

No próximo ano, quem sabe, talvez a gente volte a compor uma nova marchinha. Ou não.


Sobre a marchinha deste ano, posso assegurar que apenas li a letra publicada no Blog da Floresta, que transcrevo abaixo:

No Reinado do Belão Todo Mundo Mete a Mão

Música de Celito Chaves e Carlinhos Genesino
Letra de Carriço e Mota

No reinado do Belão
A minha Bica vai entrar
Vai fazer mais um cordão
Pro Belão e sua turma rebolar

Rebola Belão aquí
Rebola Belão prá lá
Ô Belão seu rebolado
É bom prá Bica entrar (que reinado!)

Veja que reinado é esse
A babita tá correndo solta
O Dudu puxou o dindim prá fora
E encheu de voto
A urna da Vanessa

E a malandragem no reinado vai a mil
E dá-lhe Bica puta que o pariu!

Pau é pau
Bica é Bica
Não diga que protesto
É votar em Tiriricas

Coitado do Arthur
Já era o nobre senador
Se lascou todo nesse fight
Só lhe resta o tatame do judô

A Lourdes disse e o Armando confirmou
De beleza nada tem esse Belão
Um gajo desse lá em Portugal
Vai se acabar na masmorra da prisão.

Pau é pau....


Não conheço a melodia, mas pela pobreza vernacular e pela apelação daquele desnecessário puta que pariu posso deduzir quem são os autores, sem medo de errar...

Portanto, o sujeito que tiver a desfaçatez de nos acusar de sermos os autores desta marchinha meia-boca que se prepare para enfrentar a fúria dos Titãs.

Eu, particularmente, estou armado. E atirarei para matar!

Nenhum comentário: