terça-feira, março 29, 2011

Encontrando chifre em cabeça de cavalo


Diferente do viado, que não consegue esconder seu destino manifesto, identificar um corno é um pouco mais complicado.

Sabemos que, como Cristo, ele está no meio de nós, mas, afinal de contas, quem é esse bicho escroto chamado corno?

A palavra corno vem do latim “cornus”, nome dado àquele apêndice duro e recurvo que guarnece a fronte de alguns animais.

A denominação de “cornudo” ou “chifrudo” atribuída ao homem que é traído pela companheira teve origem na Idade Média.

Em algumas regiões da Europa, quando o marido flagrava a sua própria esposa com outro, ele tinha por obrigação moral lavar a sua honra com sangue, ou seja, teria de matar os dois.

Caso isso não fosse feito, os habitantes da aldeia lhe colocavam na cabeça uma espécie de chapéu com dois enormes chifres ou cornos, e o “chifrudo” era empurrado pelas ruas, sendo motivo de gozação pelas pessoas do lugarejo.

Em Portugal, no ano de 1751, o rei Dom José baixou uma lei destinada a proteger os casados do hábito, então freqüente, de se colocar chifres nas portas de suas casas onde acontecia uma traição.

Naquela época, em Portugal, quando os amigos ou conhecidos não tinham coragem de contar ao colega que o mesmo estava sendo traído, colocavam chifres na porta do corno para alertá-lo do fato.

A moda pegou e alguns desordeiros começaram a colocar chifres nas residências, mesmo que o proprietário não fosse corno.

Dom José baixou a lei proibindo o fato, determinando que todos os que fossem pegos nessa atividade seriam presos e enforcados.


De acordo com os últimos avanços da ciência, sabemos agora que ninguém é corno por acaso. O corno já nasce corno.

Em se tratando de chifres, portanto, não há culpados: há destino.

Os próprios tribunais de alçada estão cada vez mais convencidos disso, tanto que depois de encher de chumbo a consorte, não adianta o sujeito alegar em juízo que se casou com uma vagabunda, que sua mulher era uma tremenda piranha, que a megera depois de velha deu pra dar pra todo mundo.

Nada disso. O chifre não é conseqüência do casamento, mas sim do nascimento.

O problema reside no fato de que determinados homens não produzem espermatozóides, mas espermatocornos.

A exemplo de seus primos, eles também são uns bichinhos rabudos e rebolativos que viajam na maionese, porém, com algumas diferenças de ordem comportamental.

O espermatocorno, por exemplo, não tem por finalidade fecundar o óvulo. O que ele quer mesmo é “dar o flagrante”.

Assim, ao ser cuspido, ele dá imediatamente o seu grito de guerra: “Cadê ele? Cadê ele? Hoje eu mato aquele cachorro!”.

Daí, ao invés de seguir o caminho natural dos espermatozóides, ou seja, disputar uma corrida de 100 metros rasos em direção ao óvulo, o espermatocorno fica escondido na trompa, só de olho.

O negócio dele é dar porrada: “Hoje eu pego aqueles dois!...”.

Devido a uma mutação genética ainda não muito bem explicada pela Ciência, o espermatocorno possui um discreto chifrinho bem no meio da testa, que ele usa para fustigar o óvulo: “E então?! Vai contar ou não vai? Ele não veio hoje não, é? Fala, miserável, fala, antes que eu te arrebente todo de porrada!”.

Ocorre, porém, que numa dessas fustigadas o espermatocorno pode acabar fecundando o óvulo, cedendo parte da sua carga genética para o novo ser a ser gerado, ou seja, o futuro “corninho”.

Felizmente, a natureza protege mãe e filho enquanto o corninho está no útero. Chifres de verdade, este novo ser humano só terá depois de nascer.

Ainda bem, né? Imaginem se o bebê-corno já nascesse com chifres? Adeus, xoxota, não é, gafanhoto?


De qualquer forma, o grupo dos cornos é grande e solidário, e continua em fase de crescimento.

Afinal de contas, todo verdadeiro corno adora chegar para o seu colega e revelar que ele também é chifrudo.

Isso dá uma ótima desculpa pra encher a cara e cair de bêbado sem que ninguém venha lhe importunar.

Existe alguma energia mística ligando a confraria dos cornos.

Os homens que usam peruca de touro tendem a se reunir em rodinhas de bar e discutir muito.

Normalmente, eles ficam horas e horas se vangloriando de terem comido as mulheres A, B e C.

Além de ser tudo mentira, a mulher D, de “deles”, aproveita essas horas para mandar brasa em casa com o Ricardão.

É relativamente fácil reconhecer um corno na multidão, principalmente quando ele está acompanhado “dela”, ou seja, da vadia.

Observe atentamente os casais que passam por você e depois tire as suas conclusões:

Ela é gostosa, ele é bundão.

Ela anda de minissaia acima dos joelhos, ele anda de bermudão abaixo dos joelhos.

Ela é toda jeitosinha, ele é todo sem jeito.

Ela usa roupa decotada até o umbigo, ele usa suspensórios sobre a barriga.

Ela parece séria, ele parece babaca.

Ela chama ele de “paizinho”, ele chama ela de “mozão”.

Ela masca chicletes, ele chupa jujuba.

Ela usa calcinha de renda, ele veste cueca de copinho.

Ela é toda “cheguei”, ele é todo “já era”.

Ela usa desodorante íntimo, ele usa naftalina e pó granado.

Ela gosta de caldo na cama, ele adora caldo de cana.

Ela suspira quando ele chega, ele baba quando ela vai embora.

Ela nega que esteja saindo com o rapaz da tevê a cabo, ele acredita.


Você pode também ter certeza de que o sujeito é corno se ele é useiro e vezeiro em usar expressões como estas:

– Mô-ô, cheguei!!!

– Hoje, não, bê-nhê... eu tô exausto!

– Sexo não é tudo na vida!

– Lá em casa quem decide se vai “ter” sexo ou não, sou eu!

– Eu li numa revista que transar demais faz mal pra próstata!

– Amô-ôr, que horas você vai voltar?

– Hoje só tô a fim mesmo é de tomar um uisquinho e depois cair na cama!

– O mais importante na vida do casal é o diálogo e o respeito mútuo!

– Corno não tem que ter vergonha de ser corno! Isso faz parte da vida, boi só usa chifres de enxerido...

– Eu não sou corno! Tenho certeza, né, amor?...


A grande dúvida existencial da humanidade é saber como se comporta o corno brasileiro quando encontra sua mulher com outro macho na cama. Há algumas pistas:

O paulista: não diz nada e depois resolve fazer terapia, pois afinal de contas o problema deve ser dele.

O carioca: como é chegado uma boa sacanagem, junta-se aos dois e faz uma suruba até o sol raiar.

O mineiro: valente e machista, ele mata o sujeito e continua casado com a mulher.

O gaúcho: como é chegado a um espeto, mata a mulher e fica com o sujeito.

O baiano: acha porreta e volta para a casa da neguinha cheia de axé, de onde saíra mais cedo do que de costume pra ir pra casa.

O cearense: vai na bodega, toma uma garrafa de cachaça de cabeça, entra em casa e passa os dois na ponta do punhal. No dia seguinte, arruma outra mulher.

O pernambucano: abre uma sombrinha colorida e começa a fazer passos de frevo dentro do quarto pra ver se o sujeito fica assustado e vai embora.

O paraense: vai na cozinha, pega uma panela cheia de maniçoba e obriga o sujeito a comer aquela gororoba toda, para matá-lo de indigestão.

O mato-grossense: laça o sujeito pelo pescoço e o leva para ser trabalhador-escravo nas gigantescas plantações de soja.

O paranaense: vai na casa do escritor Dalton Trevisan, conta o ocorrido e vira personagem de um novo conto do Vampiro de Curitiba.


O catarinense: diz com desprezo “ah um relho nas costas!”, aí pega a prancha de surf e vai pegar ondas em Camboriú.

O acreano: enche a cara de Santo-Daime e jura que tudo não passa de uma miração na borracheira.

O roraimense: não faz absolutamente nada. Se os gafanhotos comiam 10% do orçamento do Estado e ninguém tentava impedir, como evitar que um deles comesse a sua mulher.

O amazonense: pega o tururi no armário e vai brincar de CarnaBoi com outros cornos iguais a ele.

O maranhense: vai sentar na sala até que os dois terminem o que estão fazendo, pra ele poder dormir um pouco.

O brasiliense: fica puto da vida, vai pro Congresso e inventa mais um imposto.

O paraibano: enche a intrometida de porrada, chicoteia o cabra da peste, salga e o dependura, pra fazer carne de sol.

O goiano: pega sua viola e cai na estrada à procura de outro corno para montar uma dupla sertaneja.

Os outros cornos brasileiros ainda não foram aprovados pelo Inmetro.


Em linhas gerais, entretanto, o corno é um sujeito metódico que consegue empurrar o casamento com a barriga sem jamais mijar fora da bacia.

Faz o gênero fiel pra caralho.

Antes de trepar, escova os dentes com pasta Crest, passa desodorante Avanço nas axilas, pó antiséptico Granado nos pés, faz a barba com o AtraPlus da Gillette, passa lavanda Lancôme no rosto, coloca um pijama limpo de algodão, liga o ar-condicionado e apaga a luz.

Só conhece o papai-e-mamãe.

Se um dia a mulher lhe chupar o pau, ele nunca mais vai ter coragem de beijar na boca da merepeira.

Também não come a bunda da distinta porque acha que isso não é coisa de mulher direita.

Depois de dar aquela semanal de lei, vira pro lado e dorme.

A mulher então aproveita para tocar uma siririca imaginando que está participando de um filme sueco de sacanagem e sendo enrabada por dois cavalos manga larga.

Mulher mal amada tem uma imaginação fértil pra caralho e só pensa em putaria.

É óbvio que um dia, para fugir da estafante rotina conjugal, a rapariga vai acabar terceirizando a pomba do marido com o primeiro encanador mais bem apessoado que bater na porta.

Pronto, eis mais um novo membro da confraria zen vergonha batizada de Irmandade de São Cornélio.


Seus sócios possuem características distintas:

O corno esclarecido, que ao descobrir que. a vagabunda costura pra fora, explica que é melhor comer pudim acompanhado do que merda sozinho.

O corno vingativo, que depois que descobre a sacanagem começa a dar a bunda pra se vingar da piranha.

O corno coveiro, que sabe da notícia, mas enterra o assunto.

O corno ganso, que sabe que é corno, mas só faz barulho.

O corno advogado, que tem conhecimento do chifre, mas defende a cadela.

O corno papai noel, que apesar de levar chifre sempre traz um presentinho para a vagabunda.

O corno fofoqueiro, que corre pro boteco pra contar pros amigos que foi traído.

O corno astronauta, que quando descobre que levou chifre entra em órbita.


O corno cego aderaldo, que acha que esse negócio de chifre não tem nada a ver.

O corno cortiça, que os amigos dão um toque, mas ele continua boiando.

O corno azulejo, que a marafaia põe chifre porque é baixinho, quadrado e liso.

O corno 120, que flagra a égua fazendo 69 e vai ao bar encher a cara de Caninha 51.

O corno camaleão, que quando descobre que é corno muda de cor.

O corno economista, que toda semana faz cortes no orçamento pra murixaba gastar com presentes pro ricardão.

O corno besta-fera, que quando não sabe é a maior besta, e quando descobre fica uma fera.


O corno panela-de-pressão, que quando leva um chifre chia barbaridade e só falta explodir.

O corno raposa, que quanto mais a mulher galinha, mais ele corre atrás.

O corno iô-iô, que vai embora de casa, mas depois volta.

O corno penico, que vê tudo, mas não faz nada.

O corno cigano, que toda vez que leva um chifre muda de bairro.

O corno curioso, que contrata até detetive pra saber com quem a vigarista está trepando.

O corno xuxa, que fica em casa tomando conta dos baixinhos enquanto a messalina vai galinhar.

O corno churrasqueiro, que coloca a mão no fogo pela tolerada enquanto ela usa o espeto do vizinho.

O corno celular, que leva chifre porque, quando não está ocupado, está fora de área.

O corno cachorro doido, que fica babando de raiva, mas não faz porra nenhuma.

O corno brastemp, que leva chifre à vontade mas não esquenta com nada.

O corno galeto, que não pode levar ninguém em casa que a findinga logo arrasta a asinha.

O corno elétrico, que quando descobre que é corno leva um puta choque.

O corno brahma, que fica suando frio e espumando ao saber que a dita é a número um do ricardão.


O corno submarino, que depois que leva um chifre passa o resto da vida na maior água.

O corno eu-sou-negão, que sabe que é corno, mas vive negando.

O corno tom, bom, que basta sair de casa pro vizinho dar no couro da vaca.

O corno bateria, que tem sempre solução pro chifre e nunca pede água.

O corno pai de santo, que sempre que chega em casa tem que tirar um cabelo de cima da safada.

O corno tv cultura, que vive sintonizado nos casos da bagaceira mas não pega nem fantasma.

O corno NBA, que não dá bola pras enterradas do ricardão no aro da rascoa.

O corno fórmula Indy, que quando alguém fala em chifre sai correndo a mil por hora.

O corno coreano, que quando resolve abrir o olho a quenga já deu pra meio mundo.


O corno mãe Dinah, que no dia em que conhece a zabaneira já sabe que vai ser corno.

O corno Mike Tyson, que cada vez que leva um chifre, enche a merepeira de porrada.

O corno tamanduá, que passa a vida prometendo que vai fazer a mundana amanhecer com a boca cheia de formigas.

O corno papel higiênico, que fica branco de susto e depois entra na maior merda.

O corno ventríloquo, que basta ser corno pela primeira vez pra começar a falar pelos cotovelos.

O corno aqua velva, que quando alguém fala em chifre coloca logo a barba de molho.

O corno cantor de churrascaria, que enquanto canta pros outros comerem, ou outros comem a sua mulher sem precisar cantar.


O corno descolado, que acha que levar chifre ou ser citado na coluna do Swann não é pra quem quer, mas pra quem pode.

O corno São Tomé, que só acredita vendo.

O corno cowboy, que ninguém precisa contar porque ele saca primeiro.

O corno mentiroso, que diz pra todo mundo que nunca levou chifre

O corno caixa de marcha, que vivem trocando de mulher porque foi corno na primeira, na segunda, na terceira, na quarta, na quinta...

O corno abelha, que faz a maior cera para entrar em casa e quando entra está tão cheio de mé que não levanta o pau.

O corno barraqueiro, que enquanto abre a cerveja na banca a mulher mostra o caranguejo pro freguês examinar.

O corno garrafa, que toda vez que chega em casa quebra a garrafa e a mulher vai vender o fundo na rua.

O corno garçom, que sempre entrega a mulher de bandeja pro amigos.

O corno ronaldinho, que enquanto ele bate uma pelada com os amigos a mulher dele entra em convulsão com uma turma de franceses.

O corno dentadura, que só acha ruim no começo mais depois acostuma.

O corno mãe-joana, que a mulher diz que vai para a casa da mãe e não passa nem perto.

O corno pingüim de geladeira, que quando tem visita a mulher lhe esconde dentro do guarda-roupa.

O corno professor de matemática, que enquanto reprova a turma no colégio a mulher leva pau do ricardão.


O corno pipoca, que quando pega a mulher com outro fica pulando pra lá e pra cá, mas não faz porra nenhuma.

O corno anfitrião, que dorme na cozinha, acorda de manhã cedo, faz café, vai até o quarto da mulher, bate na porta e diz “mulher, pergunta desse nojento se é pra adoçar o café dele com açúcar ou dietil?”.

O corno bateria, aquele que seu caso de cornice não tem mais solução.

O corno botijão, que sempre que a mulher quer trepar diz que esta sem gás.

O corno malária, que se treme todo e finge estar com febre só pra mulher não arredar o pé da cama.

O corno raimunda, que a mulher é feia de cara mais boa de bunda.

O corno relojoeiro, que fica na esquina contando às horas que faltam pro ricardão ir embora.

O corno panelada, que leva chifre porque só tem bucho, gordura e tripa mole.

O corno urubu, que deixa um filé em casa pra comer carniça na rua.

O corno cambista, que enquanto está apontando o jogo do bicho, a mulher está fazendo a rota.

O corno raspadinha, que a mulher sai de casa sem um tostão e volta cheia de presentes, mas com a costa toda arranhada.

O corno passarinho, que a mulher não pode ver uma michoca dando sopa que avança logo em cima.

O corno camareiro, que quando levanta de manhã cedo arruma a roupa da cama pro ricardão quando chegar de tarde não reclamar.

O corno muçum, que se não bastasse ser preto, ainda por cima é liso.

O corno dorminhoco, que rola na cama enquanto a mulher se vira.


O corno quiabo, que tem mais pontas na cabeça do que maxixe, mas é cheio da baba.

O corno toureiro, que usa roupa apertadinha porque nasceu para ser chifrado.

O corno indeciso, que quando descobre que é corno não sabe o que fazer.

O corno estilista, que toda vez que sai de casa a mulher pinta e borda.

O corno mestre-cuca, que quando descobre que leva chifre, cozinha o assunto em banho-maria.

O corno diarréia, que quando fica pelado a mulher diz “lá vem você com essa merda mole de novo!”.

O corno prevenido, que antes de sair do escritório liga pra casa avisando que já está indo pra dar tempo do ricardão cair fora.

O corno machão, que sempre que briga com a mulher, manda ela procurar outro macho.

O corno intelectual, que chega em casa e diz “não adianta mentir, porque agora eu sei de tudo” e a mulher rebate “ah, é, então me diz qual é a capital da Somália”.

O corno político, que vive prometendo deixar a mulher mas nunca cumpre a palavra.

O corno artista plástico, que enquanto está expondo na galeria a mulher está pintando o sete no motel.


O corno mesa redonda, que passa a noite discutindo futebol com outros cornos iguais a ele.

O corno garnizé, que é metido a valente, fode com o cu, dorme no pau e a mulher é uma tremenda galinha.

O corno mecânico, que enquanto leva o carro pra oficina a mulher vai trocar o óleo com o ricardão.

O corno picolé, que além de corno ainda dá pinta de ser uma frutinha gelada.

O corno sapatão, que a mulher lhe deixou por uma lésbica.

O corno papudinho, que fica matando o bicho no boteco enquanto o ricardão mata o bicho da mulher em casa.

O corno evangélico, que sempre pede a Deus para perdoar a mulher porque ela não sabe o que faz.

O corno ateu, que vê a mulher fodendo com outro na sua cama mas não acredita.

O corno denorex, aquele que não parece mais é.

O corno ambulância, que quando vê a mulher com outro sai gritando: uau! uau! uau!


O corno hiena, que mesmo levando chifre todo dia vive rindo à toa.

O corno galo de briga, que tem chifre até nas canelas.

O corno medroso, que quando o ricardão chega em casa se esconde dentro do armário.

O corno diabético, que sabe que é corno mais ainda faz cu doce.

O corno jacaré, que só serve para dar bolsa e sapato pra madame.

O corno salário-mínimo, que alem de pequeno e feio, só comparece uma vez por mês.

O corno zorro, que anda de máscara para não ser reconhecido, mas só parece um Tonto.


O corno yopa, que sempre que sai de casa a mulher fica gritando: ai, kibon! ai, kibon! ai, kibon!

O corno elefante, que se separa da mulher mas nunca mais esquece o chifre.

O corno astrólogo, que a mulher tem um amante fixo para cada fase da lua.

O corno teimoso, que leva chifre tanto da mulher quanto da amante.

O corno do mato, que quando leva um chifre sai gritando: eu mato! eu mato! eu mato!

O corno ginecologista, que sempre diz pros amigos que vai dar um toque na mulher.

O corno agulha, que não consegue colocar a mulher na linha.

O corno bilharito, que a mulher não pode ver duas bolas e um taco que abre logo a caçapa.

O corno lagartixa, que fica olhando a mulher de longe só balançando a cabeça.

O corno datilografo, que quando descobre que é corno fica cheio de dedos.

O corno esparadrapo, que depois que leva um chifre não desgruda mais da mulher.

Para ser franco, corno é que nem caixa de banco, boiola e intelectual petista: não existe um igual a outro, mas todos são desagradáveis.

Um comentário:

♠♣○Jαяdєℓ♠♣○ disse...

É, a internet tem dessas coisas...