quarta-feira, abril 20, 2011

Causos de Bambas: Tom Jobim


No início do ano, o Google preparou uma bela homenagem ao aniversário de 84 anos de Tom Jobim.

Tom Jobim, autor de canções como “Garota de Ipanema”, “Águas de Março” e “Insensatez” foi um dos maiores nomes da música brasileira e principal referência para grandes cantores de várias gerações.

Em 1964, mesmo concorrendo com nomes como Beatles, Elvis Presley e Rolling Stones, Tom conseguiu vencer o Grammy de música do ano com “Garota de Ipanema”.

Não bastasse isso, até mesmo Frank Sinatra se rendeu aos encantos da música do brasileiro e gravou dois discos com músicas de Jobim.

Com tamanho sucesso no mundo, Tom Jobim acabou tocando com inúmeros artistas de renome, entre eles Gerry Mulligan, Frank Sinatra, Elis Regina, Vinícius de Moraes e João Gilberto.

Vale lembrar ainda, que até mesmo a Mangueira homenageou Tom Jobim no ano de 1992.

Naquele ano a escola de samba desfilou com o samba enredo “Se Todos Fossem Iguais a Você”.


O maestro, arranjador, pianista, cantor e compositor Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim nasceu no Rio de Janeiro (RJ) em 25 de janeiro de 1927 e faleceu em New York, nos EUA, em 8 de dezembro de 1994, aos 67 anos.

O que fez de Tom nosso maior representante da MPB na música mundial foi, com certeza, o brilhantismo pessoal, talvez o mesmo que o tornava o centro das atenções nas mesas dos bares.

Tom desafinou a bossa nova, cantou o amor, o silêncio do namoro, a expressão dos olhares. Cantou Heloísas, Luízas, Lígias e Teresas.

Tom Jobim musicou de maneira real e imaginária nossa terra, nossos bichos, nossas matas, suas sombras, ruídos, seus vôos e movimentos.


Um belo dia, o nosso maestro soberano estava dormindo de bruços no sofá da casa de Vinicius, uma cobertura perto da rua Faro, no Jardim Botânico.

Testemunhas oculares e auditivas: Vinicius de Moraes, Nelsinho Mota e Marcos de Vasconcellos.

Era um comecinho de tarde, logo depois do almoço.

Aí, chega um bando álacre de menininhas, todas normalistas, para lamber o poeta.

Uma delas identificou o maestro e perguntou, com unção:

- É ele? É ele?

E ajoelhou-se para a devoção, para o encaminhamento, para o êxtase.

Sem abrir os olhos, o maestro deu uma ajeitada nos fundilhos e soltou um pum no narizinho dela. Daqueles brabos.

Vinicius, Marcus e Nelsinho saíram correndo da sala.

Um comentário:

Anônimo disse...

Veja esse belo documentário sobre Tom Jobim e a cidade que inspirou boa parte de suas músicas: http://www.youtube.com/watch?v=9wbN19eUVMo