Pesquisar este blog

terça-feira, outubro 16, 2012

Renê Terra Nova, um picareta a serviço de Belzebu



Conheci o advogado Juzeuter Ferro, o “Ferrinho”, no final dos anos 60, quando ambos ainda adolescentes e com o rosto coberto de espinhas estudávamos no Colégio Batista Ida Nelson, em Adrianópolis.

Ferrinho morava em um sítio verdejante repleto de árvores frutíferas, cuja antiga trilha de acesso deu origem à Av. Paraíba.

Minha família também possuía um sítio nas imediações da Av. Paraíba, de forma que nossos pais (meus e dele) eram amigos há várias décadas e costumavam frequentar os respectivos sítios para tomar café feito em fogão à lenha e jogar conversa fora.

Ferrinho mora no mesmo lugar até hoje.

Em fevereiro de 1984, quando a Chapa Puxirum assumiu o controle do Sindicato dos Metalúrgicos, levei Ferrinho para trabalhar lá como advogado trabalhista e ele permaneceu na entidade até a minha renúncia do cargo de vice-presidente do sindicato, em dezembro de 1985.

Ainda hoje nos vemos de vez em quando e posso afirmar que Ferrinho é uma das pessoas mais íntegras, corajosas e honestas que já conheci ao longo da vida.

Tenho muito orgulho de ser seu amigo.


No início dos anos 90, chegou a Manaus um baiano de Feira de Santana chamado Renê Terra Nova, que foi ser pastor da Igreja Batista Memorial, localizada na rua São Luiz, em Adrianópolis, nas imediações da antiga sede do Nacional.

Ferrinho era da terceira geração de frequentadores da igreja.

O pastor Renê Terra Nova tinha uma conversa bonita sobre riqueza e prosperidade:

– O reino da prosperidade é um reino diferente. Nesse reino, não é qualquer pessoa que entra. No reino do rico ou do pobre, qualquer pessoa entra por uma questão casual, de trabalho, essas coisas. Mas no reino da prosperidade, só entra quem cumpre princípios – advertia o pastor. “A herança humana é uma dádiva humana, fruto de trabalho. Mas a prosperidade é uma resposta divina. Todas as pessoas que entram em prosperidade nunca decrescem, sempre são acrescentadas. As pessoas que entram em prosperidade cumprem o princípio de Mateus 6:33: ‘Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a Sua Justiça, e todas as outras coisas vos serão acrescentadas.’ Prosperidade financeira, meus irmãos, é um favor divino!”

O lengalenga todo, na verdade, não passava de dissimulação filosófica de um nefelibata ganancioso: o pastor estava interessado mesmo era na multiplicação do dízimo para aumentar o capital financeiro da igreja, capital esse que ele próprio administrava.

A grana do dízimo, entretanto, não aumentava na velocidade desejada pelo pastor.

Os fiéis contribuíam apenas com o suficiente para a manutenção da igreja.

Há quase 100 anos que era assim.

Uns seis meses depois, durante um sermão, Terra Nova avisou que havia tido uma revelação divina:

– O Senhor Deus me apareceu em sonho e me disse para fechar essa igreja e abrir uma igreja maior, que agregue uma quantidade maior de fiéis, porque precisamos crescer cada vez mais e instituir o reino da prosperidade em uma Nova Jerusalém...

– O seeeenhor não vai feeeeechar essa igreeeeja nem pelo caralhoooooo, pastor! – reagiu Ferrinho, que costuma escandir as vogais de algumas palavras para dar mais ênfase nas suas vociferações. “Essa igreja já foi frequentaaaada pelos meus avôs e pelos meus pais. Hoje, está sendo frequentaaada por mim e pelos meus filhos. Amanhã, eu quero que ela seja frequentaaada pelos meus netos e pelos meus bisnetos. Essa é uma igreja batista seeeeecular, que tem como foco as pessoooooas mais humildes, portanto, não admiiiiito que o senhor queira destruiiiiir esse patrimônio histórico do povo de Deeeeeus por conta de sua fixação argentáááária!”

A maioria dos fiéis concordou com Ferrinho.

Puto da vida, o baiano abandonou a Igreja Batista Memorial, reuniu meia dúzia de financistas interessados em ficar “podres de ricos”, alugou as instalações do antigo Cinema Dois, na Av. Joaquim Nabuco, no centro da cidade, intitulou-se Apóstolo e fundou a Primeira Igreja Batista da Restauração em Manaus (PIBREM), voltada exclusivamente para as classes sociais de maior poder aquisitivo.

Assim que começaram a ficar “podres de ricos” (com os cada vez mais abundantes dízimos dos incautos, é bom frisar), os próprios financistas que bancaram o empreendimento começaram a espalhar as boas novas.

Na verdade, o que Renê Terra Nova fez foi dar uma nova roupagem para uma antiga prática da igreja católica, que deu origem ao cisma protestante: a venda de indulgências.

Assim, qualquer milionário com dor de consciência poderia dar para a igreja uma contribuição financeira do tamanho dos seus pecados que seria “restaurado”, isto é, seria abençoado e estaria apto a entrar no reino de Deus – sem passar pelo constrangimento de ver primeiro um camelo passando pelo buraco de uma agulha...

Em pouco tempo, a Igreja da Restauração se transformou na igreja preferencial dos novos ricos e hoje ostenta um luxuoso templo de proporções gigantescas na área nobre da Ponta Negra.


Um dos poucos milagres da igreja foi transformar Renê Terra Nova de um remediado pastor em um dos homens mais ricos do país, com dezenas de igrejas espalhadas pelo Brasil e pelo exterior.

Há três anos, Ferrinho foi descontar um cheque em uma das agências Itaú.

Era por volta das 14h de uma sexta-feira, um dia quente, abafado, daqueles dias manauaras tipicamente de calor senegalês, com os cronômetros marcando 42ºC à sombra – se existisse sombra.

Ao perceber a imensa fila única dentro do banco, Ferrinho soltou seu vozeirão de barítono:

– Meus amigos, vocês me perdoem, por favor, mas eu vou fuuuuurar a fila porque preciso trocar esse cheeeeque imediatamente para tomar uma Braaaahma estupidamente gelaaaada!

Enquanto se dirigia diretamente ao caixa, Ferrinho ia se explicando para os presentes:

– Tem muita gente que fura a fila mentindo que precisa ir ao médico, que deixou crianças sozinhas em casa, que precisa tirar o pai da forca... Eu, não! Eu falo a verdaaaade! Eu preciso de dinheiro para tomar uma Braaahma estupidamente gelaaaada porque esse calor está de laaaascar...

Como ninguém fez qualquer objeção, Ferrinho trocou o cheque na boca do caixa, na maior cara dura.

Quando se dirigia para a porta de saída, ainda conferindo as merrecas, foi interpelado por um sujeito que aguardava na fila.

Era o pastor Renê Terra Nova.

– Irmão Juzeuter, eu percebi que o senhor está muito aflito, muito inquieto, muito agitado! – anunciou o pastor. “Apareça lá na minha igreja, que nós estamos dando bençãos e operando milagres...”

Juzeuter parou diante do pastor e, enquanto guardava as merrecas no bolso do paletó, soltou mais uma vez seu vozeirão de barítono:

– Pastooooor Renê Terra Nooooova: se o Deeeeus da sua igreja for melhooooor do que o Deeeeus da minha igreeeeeja, eu então prefiro ficaaaaar com o Diaaaabo!...

As pessoas dentro do banco caíram na gargalhada.

O pastor Renê Terra Nova não sabia onde enfiar a cara.

Com a certeza do dever cumprido, Juzeuter Ferro deixou a agência do Itaú e foi se aboletar no Bar do Caldeira para saborear sua Braaaahma gelada.

Moral da história: Ferrinho, que continua frequentando a Igreja Batista Memorial, está fazendo campanha para Artur Neto.

O pastor Renê Terra Nova e sua Igreja da Restauração fazem campanha para a louraça belzebu.

Adivinhem de que lado Deus está...

4 comentários:

Anônimo disse...

Que texto interessante....Há anos aqui e nem sequer um comentário. Acabei de te livrar do seu seu fracasso como cronista, agora tem um que leu esta merda que você escreveu. E o miserável do velho pobre, bêbado e cachaceiro ficou com a igreja, ganhou uma cirrose, mas continuou crente de uma religião tosca. Enquanto o Pastor cresceu, prosperou e nem se lembra mais desse pobre miserável! Quem tem uma igreja como a dele nem faz questão da presença de um cara que só tem dinheiro pra uma cerveja. Fala sério!!!

Anônimo disse...

so não gostei do final tanto faz arthur ou vanessa os dois são da parte do capeta até rimou haha..mas esse pastor picareta quer dizer rene so engana mesmos os idiotas e burros aff !!

Anônimo disse...

Aos Evangélicos de plantão:

Dízimo não é dinheiro.

Jesus não instituiu cobrança de Dízimos ou ofertas.

Deus é dono de todo ouro e prata.

Deus não precisa do seu dinheiro.

Ele quer o seu louvor e adoração.

Só Jesus salva.

E ele não é católico ou evangélico.

Ele é Senhor daquele que os servem.

Anônimo disse...

SE VOCÊ FOSSE JESUS O QUE FARIA?