terça-feira, agosto 04, 2015

Por onde andará April Ashley?


Hoje em dia é moda. Bichona não gosta da inútil paisagem, acha que não serve pra nada, economiza uma grana, vai a um cirurgião e manda tirar fora. Chato é o cara depois da operação – já sem a iguaba – descobrir que está apaixonado pela enfermeira. Passa de viado a sapatão. Destino marcado pela deusa Éphoda!

Mas, como eu ia dizendo, na época da Ashley – princípio dos anos 50 – era preciso ser muito macho para mandar cortar o pau fora. Pois o rapazinho, depois de passar algum tempo engajado na Marinha Mercante Inglesa – o que terão feito com ele os velhos lobos-do-mar, hein? –, chegou à conclusão, de que não gostava de mulheres. Ou – quem sabe? – gostava tanto que até decidiu ser uma.

No princípio se limitou a vestir roupas de mulher. Foi descoberto numa boate londrina de terceira pelo empresário Ali Burnett, que o contratou para trabalhar em seu inferninho, então conhecido no mundo inteiro, chamado Pigalle, em Londres. Mas o jovem Ashley se atormentava sempre que ia fazer pipi. Se perguntava: “O que é que eu faço com esta inútil paisagem?” Aconselhado pelo empresário, foi até Casablanca e mandou cortar.

Em 1963 se realizou como mulher ao se casar com Mr. John Corbett. Viveram felizes durante seis anos, ocasião em que o marido pediu a anulação do casamento porque “ele, apesar da operação, continua homem”. Alegou que April mijava de pé e molhava o banheiro todo. Levou um tempão para descobrir isso, o sacana, hein?

De qualquer modo, durante dois meses foram consultados endocrinologistas, andrologistas, ginecologistas, psicologistas (são psicólogos que nas horas vagas atendem no balcão como lojistas) e outros entendidos nessas sacanagens. Depois de ouvi-los, o juiz Carl Ormerod decidiu: “Pelas evidências apresentadas até agora, as cirurgias para a mudança de sexo não são o suficientemente radicais (cáspite!!!) para que se modifique o sexo que a criança tinha ao nascer”.

Quer dizer: mesmo sem pau, Ashley, então com quase quarenta anos, foi considerado homem pela justiça inglesa e Mr. Corbett deixou de pagar a pensão que ele deveria receber caso fosse ela. Onde andará a idosa bicha nos dias de hoje? Eis um assunto à espera dos nossos jovens Tennessee Williams da Silva. Conselho às bichinhas apressadas: pensem bem na triste história do Veado de Abril antes de se decidirem a dar o piu-piu pro gato.

Nenhum comentário: