terça-feira, agosto 18, 2015

Por que as bundas são tão atraentes?


Essa parece ser uma questão meio óbvia, mas o óbvio precisa ser dito: por que as bundas provocam tanto fascínio (para não dizer tesão) em nós, brasileiros? Sabemos, por exemplo, que os americanos não se ligam tanto nas rechonchudas, arredondadas e proeminentes partes do corpo feminino. Eles preferem os peitos. Grandes, de preferência.

Uma das explicações é que a mulher americana não tem bunda. São planas, “flats”, na retaguarda. Assim, na ausência, prefere-se o que existe e está disponível. Pode fazer sentido. Já aqui no Brasil somos abundantes em bundas, sem intenção de trocadilhos. Essa característica pode ser atribuída à miscigenação inigualável que tivemos com os africanos, normalmente bem dotados dessa qualidade única — e tão aproveitável. Azar dos americanos.

A bunda é atraente porque é graciosa, feminina e dá uma “quebra”, um suave desequilíbrio sensual à mulher. Daí é que surge o rebolado, aquele movimento natural, despreocupado e altamente eletrizante que tanto nos enlouquece. E como não enlouquecer?

Mas não só isso: bundas oferecem um contato físico insuperável por qualquer parte do corpo. Sentir aquela massa uniforme, rígida e generosa em contato com o seu corpo é uma dádiva da natureza do sexo. É uma questão de consistência e forma.

Por outro lado, nada é mais broxante do que uma bunda murcha. Muitos homens se apaixonam por mulheres com doces e graciosas bundas e, ás vezes, só por isso. Proliferam-se as Raimundas, feias de rosto e boas de bunda, satisfeitas por serem tão procuradas apesar de suas poucas qualidades a não ser essa.

E como evitar aquela conferida básica, fundamental, na franga que veio e agora vai, exibindo seus atributos posteriores? Quem não confere a bunda da gostosa só pode ser otário. Ou boiola.

Bundas são poemas sem palavras, arte sem cores e telas, música sem sons. E, além de tudo tem esse nome, de poderosa sonoridade, evocando sonhos e ideias de noites profundas de prazer. Bunda é a melhor coisa do mundo.

Nenhum comentário: