sábado, agosto 08, 2015

UATAFAC?


Vlady Oliver

Quer dizer que isso aí é isso aí mesmo? A canalhada quer a volta de ninefingers pelo atalho de um ministério picareta? Quer o nojento-chefe escondido num carguinho qualquer que lhe garanta a blindagem de um foro privilegiado? Isso aqui só pode ser o Brasil mesmo. O país da impunidade rampeira. O país dos inimputáveis. O país dos elogios rasgados a tudo o que é essa pilantragem nojenta que nos empurram dia sim e dia também por aqui.

Não é para menos que o brasileiro — qualquer brasileiro — esteja a ponto de explodir. Não é saudável termos no poder gente com essa índole cortejando uns aos outros numa festinha indecente; siameses na rapinagem do Estado elefante que nos gatuna o futuro do país. Lembro muito bem das lições que tive de minha advogada — uma das melhores do país, mas que nunca defendeu bandidos — sobre a tal “consciência jurídica” que se forma num processo. Os caras querem fugir, dissimular, mentir, provocar, negociar com as autoridades, de modo a continuarem inimputáveis, reincidentes, criminosos e servidores públicos.

É um escárnio. Em que lugar decente deste planeta um programa de partido como o de ontem teria voz e vez, escoiceando a plebe rude? O Goebells em compota — mais conhecido como Santanão — bem que tentou dourar o supositório antes de expô-lo ao mundo. Não colou. Ocupado com minhas panelas, não vi, não li, nem entendi do que se tratava aquela tramóia. Vendo depois, tudo fica claro.

O PT quer provocar o país. Quer assustar o cidadão. Quer dissimular. Esconde a roubalheira endêmica com a peneirona da ideologia rombuda e os eufemismos de quem é mestre na prestidigitação. Que eu saiba, toda a história da humanidade está recheada de calhordas que, mais cedo ou mais tarde, revelaram sua reaL natureza. O que vai por aqui é a tentativa mais torpe e pusilânime de enganar a plebe rude mais uma vez.

Não há um cretino agora, daqueles pagos pela mortadela oficial com o nosso dinheiro público, que venha defender o legado desses bandidos. Estão todos assustados com o banho de imersão que pode matá-los, grudados que foram na bolsa de gônadas dos chefes de toda essa vigarice. E a mulher-erectus continua lá, grudando velcro no Planalto. Alheia aos gritos inclementes da nação danada, que pede que a rendição se dê em condições de civilidade.

O partido vem à público desafiar a sociedade, meus caros. Bem se vê de que forja foram feitas essa fundas picaretas, que atiram no cidadão comum a pedrada da indecência na política. Ontem foi o dia de muitas lideranças cacarejarem em coro. Foi o dia de pedir entrevista até com o porteiro do Congresso. Todos juntos e irmanados numa tal de governabilidade, que nada mais é que a senha para roubar mais um pouco, enquanto ainda há tempo. Pouco tempo.

Não há contemporização que chegue com essa gente no poder, meus caros. A carta-renúncia da mamulenga já foi escrita. Num país tão louco que a dona pediu ajuda aos universitários — com diplomas falsos como o dela — para redigir o documento que ela não pretende entregar a ninguém. O que ela quer mesmo é se vestir para a guerra, tal qual um Rambo fora de esquadro, brandindo sua baionetinha velha nos transeuntes, de modo a mostrar quem ainda manda por aquelas paragens e paredes.

Vá cuidar do netinho superfaturado. Aproveita enquanto a cabeçona manca ainda se sustenta sobre o pescoço. A do meu sobrinho, por exemplo, foi abatida a pauladas recentemente. Encara esse país que vocês governam, uma farsa gigantesca chamada Brasil, agora que ele tá lá fora do palácio, te esperando.

Nenhum comentário: