segunda-feira, outubro 19, 2015

Botafogo de Futebol e Regatas


Luiz Fernando Verissimo

Além dos sinais externos que nos denunciam – cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barrigas, essas indignidades – as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que têm na memória. Diga o nome “Gerson” em qualquer roda e todos se lembrarão do Gerson de 70, que mesmo quem não viu jogar conhece de retrospectiva. Mas é possível que alguém na roda, à beira da senilidade, diga “Gerson, claro, beque. Gerson e Santos, Botafogo, 48”, para a perplexidade geral. Beque? Santos? 48?

Beque, crianças, era zagueiro. Santos era o Nilton Santos, antes que outro Santos na seleção, o Djalma, obrigasse todo mundo a usar o primeiro nome dos dois. E 48 foi um ano que existiu mesmo, entre 47 e 49, embora hoje seja difícil de acreditar. Para quem ficou com o outro Gerson, o beque, na memória, Ademir não era o da Guia, filho do Domingos. Era o Ademir Menezes, o Queixada, o do rush famoso. (Rush: escapada em direção ao gol, você não entende português?) 

Se a tal roda hipotética fosse um velório e “Leônidas” fosse citado, alguém se lembraria do zagueiro com esse nome em 50, por aí, mas o morto talvez se lembrasse do centroavante, o “Diamante Negro”, supostamente o inventor da bicicleta. Nunca mais houve um bom Leônidas no futebol brasileiro. Isso tudo era no tempo em que ninguém se chamava Donizeti.

Me lembrei do Gerson porque quando vi o Botafogo jogar pela primeira vez, naquele improvável 48, o seu “trio final” era Oswaldo (o Baliza), Gerson e Santos. Comecei a torcer pelo Botafogo por causa do Internacional, quando eles compraram o Ávila, grande centromédio, depois substituído pelo Ruarinho, também do Inter.

Peguei a fase lendária, de Garrincha, Quarentinha etc., no Maracanã. Mas mesmo naqueles tempos de glória, muitas vezes, você era obrigado a amar o Botafogo apesar do Botafogo. Paulo Mendes Campos (outro craque do passado) escreveu que o Botafogo tem um coração amador. E que é capaz de sair de derrotas feias mais orgulhoso mais Botafogo do que se houvesse vencido.

É isso, é isso, aquela estrela no peito é uma predestinação, símbolo ao mesmo tempo de fulgor e solidão. Mas são tristes os tempos em que o que resta para o Botafogo é a literatura.

Nenhum comentário: