sexta-feira, outubro 23, 2015

Luzes da Floresta


Eu e Dinari Guimarães na casa do poeta, em Barreirinha

No começo do ano, o publicitário Valdo Garcia me convidou para participar de um projeto intitulado “Luzes da Floresta”, mostrando a trajetória artística do poeta Thiago de Mello e do artista plástico Moacir Andrade, que seria apresentado na semana de aniversário de Manaus.

Fiquei encarregado de fazer uma minibiografia dos dois gênios da raça para ser publicada em forma de libreto e ser distribuído gratuitamente para a população. O projeto acabou não saindo do papel.

Sucede, que como eu já havia feito minha parte, decidi compartilhar com vocês a primeira parte do libreto (sobre o Thiago de Mello) neste dia em que Manaus completa 346 anos e a segunda parte (sobre o Moacir Andrade), no próximo dia 10 de novembro, aniversário de N. S. da Conceição, padroeira do Amazonas.

Para escrever sobre o poeta, reli todos os seus livros lançados até o ano passado (ficou de fora apenas o “Ajuste de Contas”, lançado este ano) e procurei recordar as conversas que tive com ele durante as duas semanas (entre dezembro de 2000 e janeiro de 2001) em que fui seu hóspede em Barreirinha, na casa do Paraná do Ramos. Parte daquelas conversas já foi contada aqui.

Também fui municiado por uma série de entrevistas dadas pelo Thiago aos jornalistas locais, que o livreiro Antônio Diniz vem colecionando ao longo dos anos, e que serviram como fio condutor para o texto final.


Eu, Moacir Andrade e o português Francisco Mendes, do bistrô Pina Drinks

O texto sobre o Moacir Andrade também foi fruto das diversas conversas que tive (e tenho tido) com ele nos últimos cinco anos.

Em 2010, eu e o videomaker Edlúcio Castro chegamos a fazer um documentário de 30 minutos sobre ele, finalizado pelo Rosivaldo Lima, da Five, mas até hoje não recebi uma cópia do trabalho...

As histórias pornográficas do artista plástico (dezenas!), entretanto, ficaram de fora para não comprometer a seriedade do trabalho, mas serão postadas oportunamente aqui no blog. Oh, yeah!

Nenhum comentário: