sexta-feira, janeiro 15, 2016

Memória de elefante


Setembro de 1983. Planejando abandonar aquela dura vida de rotista do bicheiro Ivan Chibata, Vladimir Brother começou a decorar números de telefones, com o objetivo de figurar no Guiness Book e se transformar em uma nova celebridade mundial paga a peso de ouro por conta de sua memória prodigiosa. 

Levou uma semana para decorar 100 números. Com um mês, já sabia 200 números de cor e salteado. Em toda e qualquer hora de folga na fortaleza do bicheiro, era somente nisso que Vladimir Brother se concentrava. Os outros rotistas começaram a desconfiar que ele havia colado o platinado.

Seis meses depois, Wladimir Brother já havia decorado 600 números de telefones, tanto de pessoas físicas quanto de jurídicas. Seu parceiro de rota, Mário Bocão, era o seu principal interlocutor. Quando os dois saíam para fazer uma rota, Brother pilotando, Bocão na garupa, o piloto soltava a senha:

– Pergunta, parente, pergunta!

– Hospital Adventista? – indagava Mário Bocão, consultando uma planilha.

– 2379815

– Correto. Credilar Teatro?

– 2569512

– Correto. Paulo Anastácio de Souza?

– 6474256

– Correto. Paulo Anastácio Corrêa?

– 6639087

– Correto. Loja dos Lustres na Compensa?

Enfim, os dois passavam horas e horas testando a memória do piloto. O bicheiro Ivan Chibata ficou sabendo da presepada e deu a maior força para o funcionário. 

Empolgado como nunca, Vladimir Brother atingiu a estonteante marca de 800 telefones decorados, após um ano de dedicação exclusiva ao assunto.

Um belo dia, quando os dois participavam de mais uma rota, Mário Bocão abriu um chiclete Ploc, deu uma olhada na figurinha que acompanhava a goma de mascar, guardou no bolso e não falou nada. Na verdade, ele continuou perguntando pelos telefones e conferindo as respostas. 

Quando os dois voltaram para a fortaleza do bicheiro, Mário Bocão foi até a sala do Ivan Chibata, tirou do bolso a figurinha do chiclete Ploc, entregou ao bicheiro e arrematou:

– Passa o pano no nosso bestão... – se referindo, evidentemente, ao Vladimir Brother.

Ivan Chibata leu a curiosidade estampada na figurinha do chiclete Ploc: “Dono de uma memória prodigiosa, o chinês Chun Tang Wu sabe de cor e salteado o número de 30 mil telefones da Província de Shizan. Ele quer atingir a marca de 40 mil telefones em três anos.”

O bicheiro chamou Vladimir Brother, entregou-lhe a figurinha do chiclete Ploc e foi sincero:

– Se depender desse chinês, meu jovem, você só vai deixar de ser rotista daqui a 50 anos...

Vladimir Brother abandonou o hobby no mesmo dia.

Nenhum comentário: