segunda-feira, setembro 19, 2016

“O que é antigo é velho, o que é velho não serve mais”


Roberta, Rui Machado, Sandra, Bob Carlos, Elisa, Rita, João Bosco Chamma e Mazé Chaves

José Alberto Tostes, de Santana (AP)

A frase desse artigo foi dita pelo colega, amigo e arquiteto e urbanista manauara, João Bosco Chama, por ocasião do II ARQAMAZÔNIA realizado na cidade de Manaus, no período de 14 a 16 de setembro. A referência dessa citação deve-se a uma longa conversa sobre as questões referentes ao centro histórico da cidade de Manaus.

As reflexões sobre a citação de Chama, nos leva a crer que a desvalorização das áreas centrais na grande maioria das cidades brasileiras, está diretamente relacionada à cultura contemporânea, não se caminha mais com a frequência de antes pela cidade. Vive-se a pressa do dia-a-dia, de um cotidiano dominado pela autoridade do automóvel, então, a pressa é adversa ao sentimento de vivenciar a cidade.

Gradualmente com o passar das décadas e os anos, os centros históricos vem perdendo a sua representação mais efetiva com a cidade. Um dos motivos é a mudança gradual de uma área, que antes tinha um caráter eminentemente residencial para um sentido institucional e comercial, ou seja, as áreas históricas passaram a ter 12 horas de intensidade e outras 12 horas de silêncio profundo. E o que significa esse fato? Representa a perda gradativa de valores, simbologias e de pertencimento com a história do lugar.

Se avaliarmos mais detalhadamente vamos perceber que as maiores representações históricas que vinculam a formação e a gêneses das cidades, está no centro histórico, todavia, o processo de transformação da paisagem da cidade apresenta o preço do desapego com aquilo que é considerado antigo, portanto, está enraizado na cultura brasileira, “o que é antigo é velho, o que é velho não serve mais”, tal afirmação e crítica,  evidencia que temos enormes dificuldades para entender a relação entre o “velho e o novo” entre o “antigo e o contemporâneo ou atual”. Não conseguimos de forma efetiva construir uma relação entre os distintos tempos que envolvem a história da cidade.

Como estudioso, pesquisador, arquiteto e urbanista participei de uma infinidade de eventos ao longo dos anos, um dos fatores que mais me chama atenção, é como está consolidado em nossa cultura o sentimento da negatividade. A quase totalidade das apresentações em eventos evidencia uma cultura negativa, induz indiretamente a juventude, a crer firmemente que não há esperança, tudo é “terra arrasada”. Tal afirmação corrobora para acreditarmos que o amanhã, é impossível, e o passado não existe daí a relação conflituosa sobre a relação com o antigo.

Em diversos países do mundo, principalmente na Europa onde há um legado expressivo da cultura sobre o antigo, tem ocorrido ações e estratégias de incluir o antigo no âmbito de um contexto atual, aliado com as tecnologias, redes sociais e outros níveis de inserção que auxiliam a sociedade, possibilita aos turistas compreenderem que, o antigo é parte da história do lugar, e mesmo com todo o processo evolutivo do tempo presente, esse antigo, gera emprego e renda, contribui para disseminar a cultura de um povo e acima tudo, permite conectar a relação entre passado, presente e futuro.

Um dos exemplos é o próprio Rio Janeiro, a construção do Museu do Amanhã, obra arrojada e de linguagem universal contribuiu para redimensionar uma área que estava decrepita e abandonada pelo poder público e pela própria população, independente de qualquer crítica, que é salutar, houve uma mudança na paisagem. Quando os governos e a própria população abandona a sua história, tais ambientes de grande valor perdem a significação, o que dá vida ao lugar são pessoas, dinamizam e transformam os espaços.


Uma das maiores expressões da cidade de Manaus é o Teatro Amazonas, não há uma só pessoa que chegue a cidade que não tenha o interesse em conhecer o Teatro, portanto, um símbolo do lugar e da expressividade de uma época, mas quando parte dos visitantes e dos próprios moradores se deparam com o entorno, percebem fragilidades do poder público e da própria sociedade.

É comum a presença de drogaditos, bêbados, guardadores de carros e o mercado de sexo. O cenário se trabalhado através de projetos sociais poderia haver maior inclusão desses usuários segregados. Não se deve tratar os excluídos, aumentando a indiferença, mas dar o trato devido com dignidade. Os projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo são eficazes, somente se alcançarem os níveis de integração social, de nada adiante pensar na morfologia e no caráter estético, se o maior sentido que dá vida não for bem equacionado.

Os problemas do centro histórico da cidade de Manaus não são exclusivos dessa cidade, existe em quase a totalidade das cidades brasileiras, porém, evidencia a forma como a sociedade atual se relaciona com lugar, com indiferença, pois o único contato  cotidiano é através das janelas dos veículos, criando um “abismo”, fortalecendo ainda mais a segregação das ruas, dos becos e principalmente dos espaços públicos, aliás, tais espaços tem sido os que mais se modificaram no ambiente urbano brasileiro, pois do lugar do encontro, das relações entre pessoas e grupos sociais, transformou-se no ambiente que esconde o medo dos transgressores urbanos.

A vida nos centros históricos no Brasil não é fácil, o antídoto, é o diálogo institucional, pois essas áreas concentram o que há de melhor e de pior de acordo com a população, mas, para que seja um lugar com qualidade de vida para os cidadãos locais e para os turistas é preciso inverter a lógica em nosso País, “o que é antigo é velho, o que velho não serve mais”.

As boas práticas e experiências de tantos lugares devem servir como fonte inspiradora para que a sociedade não abandone o seu DNA urbano, o lócus de formação de sua história, e acima tudo, compreenda que todos nós começamos de um ponto de partida. E como diz Carlo Levi: “O futuro tem um coração antigo”.


NOTA: Como estudioso, pesquisador, arquiteto e urbanista participei de uma infinidade de eventos ao longo dos anos e um dos fatores que mais me chama atenção é como está consolidado em nossa cultura o sentimento da negatividade. A quase totalidade das apresentações em eventos evidencia uma cultura negativa, induz indiretamente a juventude, a crer firmemente que não há esperança, tudo é “terra arrasada”. Tal afirmação corrobora para acreditarmos que o amanhã é impossível e o passado não existe, daí a relação conflituosa sobre a relação com o antigo.

Nenhum comentário: