sexta-feira, setembro 16, 2016

Sou um esquerdista desiludido, diz Verissimo


Julianna Granjeia

Em meio às denúncias do mensalão em 2005, o escritor Luis Fernando Verissimo anunciou a morte da “Velhinha de Taubaté”, um dos seus mais conhecidos personagens – a última que ainda acreditava no governo. Em conversa ontem com a coluna, após participar da Pauliceia Literária, na sede da Associação dos Advogados de São Paulo, o autor se definiu como “um esquerdista desiludido” e avisou: se estivesse viva, a “velhinha” apoiaria o governo Temer.

O senhor tem 79 anos e já passou por algumas crises da história do País. Considera essa atual mais grave que as outras?

Nós já passamos por tantas crises, suicídio do Getúlio, Jânio Quadros, cassação do Collor… Todos esses foram períodos muito conturbados, nos últimos 50 anos. Mas uma crise como esta, com posições tão arraigadas de direita e esquerda, acho que nunca tivemos.

O senhor gosta de escrever sobre política?

A gente ter que dar o testemunho sobre o que está acontecendo, comentar o que está acontecendo. Acho que todo mundo tem que ter lado e deixar claro qual é o seu. Eu preferiria escrever sobre banalidades, mas a gente quase que se obriga a escrever sobre essa situação.

E qual é seu lado?

Eu me considero um homem de esquerda, acho que houve um golpe. As novas revelações sobre o Lula são lamentáveis e vamos ver como isso se desenrola.

No que acha que vai dar esse acirramento?

É prejudicial, o ideal seria um entendimento, um congraçamento nacional. O lado bom disso tudo é que os militares não se manifestaram, não intervieram. Olhando por esse lado, a coisa está boa.

Esse radicalismo está causando uma onda de ódio…

Eu recebo muita carta desaforada. Falam para eu ir morar em Cuba, que eu deveria morar na Coreia do Norte, que sou esquerda caviar. Quando recebo uma carta com xingamento, na primeira linha vejo o que é e nem leio o resto.

Acha que temos muitas velhinhas de Taubaté atualmente?

A velhinha de Taubaté foi um comentário naquele momento do (governo do general) Figueiredo (1979-1985), o fim dos governos militares. Então, ela tinha essa função de criticar a falta de credibilidade do governo através de uma ficção, de uma figura inventada. E hoje eu não sei o que a velhinha de Taubaté diria dessa situação toda, acho que ela acreditaria em todo mundo, inclusive no Temer. E estamos cheios de velhinhas de Taubaté por aí.

O senhor é uma?

Penso que não, talvez eu tenha sido no começo do governo Lula. Eu acreditava que haveria mesmo uma mudança na política brasileira. Mas acho que hoje não sou mais, não.

Decepcionou-se com Lula?

Acho que sim, com o PT em geral. Embora entenda que o governo Lula, principalmente o primeiro mandato, foi muito importante em termos de inclusão social. Mas posso me caracterizar agora como um esquerdista desiludido.

E o que o senhor espera para o futuro do País?

É importante ver o resultado das eleições agora. Ver como todas essas questões vão repercutir no nível municipal e o que vai acontecer. Não tenho nenhuma previsão. Acho que teremos tempos difíceis nos próximos anos, é um momento confuso, o Brasil está meio sem direção. O perigo maior é de retrocesso, de todas as conquistas que nós passamos serem negadas e substituídas. Mas sou um otimista, acho que tudo se arranjará.

Nenhum comentário: