Pesquisar este blog

terça-feira, setembro 06, 2011

1º Simpósio Internacional Margens e Periferias da UEA traz o escritor Ondjaki


O angolano Ondjaki lança em Manaus, nesta quarta-feira (07), Há Prendisagens com o Xão - o segredo húmido da lesma e outras descoisas, um de seus mais premiados trabalhos, apresentado no último fim de semana ao público da Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

Sociólogo, doutor em Estudos Africanos, autor de romances, contos, poesias e livros infantis, traduzidos para o francês, espanhol, alemão, inglês, sérvio, sueco e até chinês, o escritor Ndalu de Almeida, ou Ondjaki como ficou conhecido em todo o mundo, é considerado pela critica especializada um fenômeno da literatura moderna.

Aos 34 anos de idade, o jovem angolano publicou mais de 10 livros, fez dezenas de palestras em todo o mundo e coleciona prêmios em Portugal, Angola, Etiópia, Itália e no Brasil, onde ganhou em 2010 o Jabuti Juvenil, mais cobiçado prêmio literário do país.

“O texto de Ondjaki é inconfundível por sua capacidade de criar imagens cheias de poesia”, explica Otávio Rios, responsável pelo convite a Ondjaki que participará do Simpósio Internacional Margens e Periferias organizado pela Universidade do Estado do Amazonas em comemoração aos três anos de criação da Cátedra Amazonense de Estudos Literários, grupo de pesquisa de pós graduação da universidade.



O Café Literário com o autor dá início à programação do Simpósio Internacional Margens e Periferias que reúne até a próxima sexta-feira (09) alguns dos mais importantes nomes da literatura de língua portuguesa.

O Café com Ondjaki será o primeiro de uma série de encontros onde a história e a cultura africanas serão discutidos por convidados de expressão internacional como a ex ministra da Cultura de Portugal Isabel Pires de Lima e autores reverenciados pela crítica especializada como Inocência Mata e Teresa Bermudz, ambas professoras de universidades portuguesas.

Palestras e mesas redondas com professores da Universidade de São Paulo (USP), das universidades federais Fluminense, de São Carlos e do Rio de Janeiro também integram a programação do simpósio que terá ainda a participação de vários escritores amazonenses.

O lançamento de Há prendisagens com o xão acontece às 18 h de quarta-feira,
dia 07, na Livraria Saraiva Megastore.
Av. Mário Ypiranga Monteiro, 1300 – Adrianópolis
Fone: 3236-0200

Programação

7 de setembro (quarta-feira)
15 às 17h – Reitoria da UEA - credenciamento
18h – Livraria Saraiva Megastore - Manauara Shopping
Café Literário com o escritor angolano Ondjaki.
Mediação: Allison Leão (UEA)
- Lançamento do livro “Há prendisagens com o xão” (Ondjaki)
- Lançamento do livro “Arquipélago contínuo: literaturas plurais” (Otávio Rios, Org.)

8 de setembro (sede da Reitoria da UEA)
8h – Credenciamento
9h – Cerimônia de abertura
9h30min – Conferência de abertura: “Discutindo fronteiras: literaturas e globalização ou a ‘condição pós-colonial’ das literaturas africanas”, por Inocência Mata (UL).
Apresentação: Jorge Valentim (UFSCar).

10h30min – Mesa plenária: “Páginas de e-mail, páginas de livros: palavras cruzadas”, Tânia Ramos (UFSC); “As margens do corpo e as margens da arte: a imagem das fezes na obra de Rubem Fonseca”, Vinícius Carvalho (IFMT/UFRJ).
Mediação: Juciane Cavalheiro (UEA).

12h às 14h – intervalo para almoço

14h – Mesa plenária “Nomear o desejo: homoerotismo, gênero e resistência em A Confiança, de Bernardo Santareno”, Jorge Valentim (UFSCar); “Apontamentos para a gênese da negritude na poesia africana de língua portuguesa”, Mario Lugarinho (USP).
Mediação: Emerson Inácio (USP)

15h30min – Mesa plenária: “Páginas de fim de século: a escritura de Fialho de Almeida”, Luci Ruas (UFRJ); “Unamuno e Portugal: de suicídios e naufrágios”, Paulo Motta (USP).
Mediação: Maurício Matos (UEA).

17h – exibição de painéis

9 de setembro (sexta-feira)
manhã: Escola Normal Superior da UEA
tarde: sede as Reitoria da UEA

8h às 12h – Minicursos
I. Vozes da poesia periférica, Prof. Dr. Emerson Inácio (USP)
II. Literaturas Africanas de língua portuguesa na contemporaneidade, Prof. Dr. Mario Lugarinho (USP)
III. Da costa dos murmúrios ao grito das margens: o discurso descentralizador de Lídia Jorge, Prof. MsC Nicia Zucolo (UFAM/USP)
IV. A poética de Manuel Rui: riso e utopia, Profa. MsC Veronica Prudente (UEA/ UFRJ)
V. Rubem Fonseca: margens, fezes e abjeção, Prof. MsC Vinícius Carvalho (IFMT)
VI. Literatura galega: margens & periferias, Profa. Dra. Teresa Bermúdez (Universidade de Vigo)

12h às 14h – intervalo para almoço

14h – Mesa plenária: “A Amazônia de Euclides da Cunha”, Allison Leão (UEA); “Sobre a busca de um eldorado tropical na Amazônia das obras de Tenreiro Aranha”, Maurício Matos (UEA).
Mediação: Teresa Bermúdez (UVigo)

15h – conferência intermediária “Vozes da poesia periférica”, Emerson Inácio (USP).
Apresentação: Otávio Rios (UEA/UFRJ)

16h30min - Mesa Plenária: “Literatura galega: margens e periferias”, Teresa Bermúdez (Univ. de Vigo); “Reflexões sobre vozes poéticas femininas em Moçambique”, Carmen Tindó (UFRJ).
Mediação: Verônica Prudente (UEA/UFRJ).

18h15min – Conferência de encerramento: “Portugal, cais de chegada: identidades em trânsito na imigração portuguesa”, Isabel Pires de Lima.
Mediação: Luci Ruas (UFRJ).

Um comentário:

José Ribamar Mitoso disse...

Atá tu, Simão? O cara pra ficar famoso tem que parar de escrever. Concorda,mano? E quando faz pose a obra vai para um lado e a vida para o outro. Tem artifício. Arte não.E, outra coisa, mano querido: qual é o estilo desse , rapaz? Qual realismo: psicológico, crítico, dos folclores regionais, universalismo regionalista, realismo proletário, socialista: qual? mano, sai dessa fama. Rssssssssssssss. Te adoro.