quarta-feira, fevereiro 01, 2017

Recordando João Nogueira


No primeiro ano do Projeto Pixinguinha, em 1977, uma aula de samba com João Nogueira e Cartola

Ele se definiu como “sambista de calçada”: não era do morro, não foi forjado pela tradição das escolas de samba e tampouco era da zona sul carioca, com o berço de classe média.

João Batista Nogueira Júnior – ou, simplesmente João Nogueira – cantava o que via nas ruas suburbanas do Rio de Janeiro, a boemia dos botequins, a malandragem, as histórias cariocas e também os sentimentos humanos com a musicalidade inata dos grandes sambistas, influenciado pelo som de Wilson Batista, Geraldo Pereira e Noel Rosa.

Neste ano, completam-se 17 anos da morte do intérprete e compositor. Ele partiu no dia 5 de junho de 2000, aos 58 anos, vítima de um enfarte. Seu legado conta com uma rica discografia de 18 discos-solo e outras participações em lançamentos coletivos e mais de 300 composições – a maioria gravada por ele mesmo, mas também interpretadas por nomes como Clara Nunes, Elizeth Cardoso, Elis Regina, Beth Carvalho, Alcione e outros. João Nogueira deixou quatro filhos, sendo um deles seu herdeiro musical: Diogo Nogueira.

João Nogueira nasceu no dia 12 de novembro de 1941, e cresceu no meio do samba e do choro: seu pai, com quem compartilhou o nome, era violonista e chegou a tocar com Noel Rosa. A casa da família, no Méier, zona norte da capital fluminense, era frequentada por Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Donga e João da Baiana. João Nogueira deu seus primeiros acordes no violão para acompanhar o pai, que morreu precocemente, quando o sambista tinha apenas dez anos.


A ausência do pai levou João a trabalhar como vitrinista, vendedor e bancário. Mas nunca se afastou da música: desde os 15 anos, João compunha sambas para os blocos de carnaval do bairro. O sucesso veio no início da década de 70: o primeiro álbum, que levou seu nome, foi lançado em 1972. Mas só em 1974, quando lançou o segundo disco, “E Lá Vou Eu”, trazendo os sucessos “Batendo na porta”, uma ode à escola de seu coração, a Portela, e “Sonho de bamba”, composta junto com o grande parceiro Paulo César Guimarães, o som de João Nogueira explodiu.

Além de enfileirar clássicos como “Poder da Criação”, “As Forças da Natureza”, “Espelho”, “Nó na Madeira”, “Mineira”, “Súplica”, “Eu sei Portela”, João Nogueira marcou posição na defesa dos artistas nacionais e pela valorização do samba.

O Clube do Samba, criado por ele, Alcione, Martinho da Vila e Beth Carvalho em 1979, teve a sua casa, no Méier, como primeiro endereço. O nome do movimento batizou, inclusive, um dos discos de João. Por ali passaram sambistas de várias gerações, compositores das escolas de samba e intérpretes. O bloco de carnaval do Clube do Samba também foi lançado, levando, todos os anos, para a Avenida Rio Branco a tradição do ritmo e as canções dos velhos carnavais.

João Nogueira foi mais que um compositor e letrista refinado: ele era também um cantor marcante, de voz grave e aveludada. Inovador, fazia interpretações recheadas de carioquismo, malícia e ritmo. Parte dos críticos consideram João Nogueira como o melhor intérprete de Noel Rosa.

Boêmio inveterado, flamenguista de coração e apaixonado pela Portela, João costumava dizer que em suas composições homenageava as coisas simples da vida, que são a matéria prima dos grandes sambas.

Neste especial do programa Samba na Gamboa, exibido pela TV Brasil, Diogo Nogueira homenageia seu pai, cantando os grandes sucessos de João Nogueira.

Os convidados são Paulo César Feital, amigo e parceiro de João, e Gisa Nogueira, irmã do sambista e compositora. Curta:

2 comentários:

Anonimo Desconhecido disse...

Simão ! Sou muito fã do seu blog :)

Anonimo Desconhecido disse...

O seu blog é ótimo